A festa continua


Ainda sob o impacto das comemorações do Yom Haatzmaut, devo acrescentar os eventos que se sucederam à abertura no Har Hertzl.

O ponto alto é a iluminação das 12 tochas por pessoas que se projetaram em algum ramo de atividade em benefício da comunidade e do país.

Este ano foram escolhidos cidadãos que vivem e trabalham em Jerusalém, contribuindo para o desenvolvimento da cidade em diferentes setores, pois estava se comemorando, também,  50 anos da reunificação de Jerusalém.

O ministério da Cultura e Esportes é o encarregado da organização das festividades deste dia, que é longo, pois além do programa na noite do Yom  Haatzamut, no dia seguinte, 2/5, continuam as festividades em vários polos.

De manhã, nos jardins da residência oficial do presidente Rivlin, são condecorados 120 jovens que  se destacaram no serviço militar, não obrigatoriamente em tarefas  militares, mas em todos os campos que a Tzavá atua: social, educacional, profissional, trabalho voluntário na comunidade, uma gama de funções que não são tão conhecidas pelo público em geral.

Às 13 horas teve início no Binianei Ha Humá,  Casa do Povo, em Jerusalém, o Concurso  Juvenil  Anual  de Tanach.
Pela primeira vez, nos 30 anos em que este concurso é realizado, recebeu o 1º lugar um jovem de 15 anos, Sagiv Lugassi de Maalot, que não estuda em escola religiosa nem é de família religiosa.

Às 19 horas, o final das festividades, a entrega do Prêmio de Israel, concedido àqueles que se destacaram em diferente setores do conhecimento humano.

Este ano foram premiados em Engenharia, Música, Esporte, Direito, Pensamento Judaico, Ciências Humanas e dois premiados por dedicar sua vidas a projetos de ajuda a comunidade.

Depois do encerramento das festividades, começam no dia seguinte as críticas, lógico. É interessante  porque é um ritual anual, mas este  ano, foi demais. Como se diz na gíria “ cairam no pêlo “ dos organizadores.

Desde o vestido da Rita, a cantora que interpretou o “”Hino de Jerusalem“,a famosa canção Jerusalem de Ouro ( Yerushalaym shel Zahav ), até o discurso oficial do presidente da Knesset, Yuli Edelstein, passando pelo número de vezes que a ministra da Cultura, Miri Regev, foi focalizada pela câmeras da TV sentada ao lado de Sara Netanyahu. Muita “fofoca”.

Foram alvo das críticas, também, alguns dos escolhidos para acender as tochas, como o cantor e artista muito famoso, Yoram Gaon  e o ex- campeão de futebol,  Malmilian,  ambos nascidos e criados em Jerusalém, mas há muitos anos fora dela.

Os que foram elogiados, tanto pela escolha, como  pelo merecimento, o Prof. Achmed Aid, árabe, chefe do departamento de cirurgia geral do Hospital Hadassa (Har Hatzofim), Amnon Shaashua, fundador da empresa Mobileye, que se projetou mundialmente e sediada em Jerusalém e o escritor Eli Amir. Hakol le Tiferet Medinat Israel –  em glória a Israel.

NÃO PERCAM OS PRÓXIMOS SHOWS
Apesar dos esforços da BDS,  que tenta dissuadir artistas famosos mundialmente  a  se apresentar em  Israel, eles continuam vindo.

O 18º festival da Primavera, será realizado em Rishon LeTzion, entre 22 a 27 desse mês, maio , com a participação de Cristus Nicolopolus, da Grécia, Vivancos – balé espanhol – Flamenco, Swing de  Gítan,o violonista italiano, Luca Ciarla e Antonio de Luca ao acordeão e muitos outros artistas e bandas internacionais.

Em Tel Aviv, o Aerosmith se apresentará em 17/5. Rod Stewart será recebido em junho próximo e a lista é grande até outubro.

Na semana passada, Justin Bieber enloqueceu as meninas num show que ficou para história. Nem todos os artistas boicotam Israel. A maioria vem e ainda dizem algumas palavras em hebraico “aquecendo” o público.

O Concurso Internacional de Piano Arthur Rubinstein, realizado a cada 3 anos em Israel, já está na sua fase final. Foi aberto em 25/4 e o encerramento dentro de alguns dias , em 11/5 .

Como sempre , este concurso atrai muitos concorrentes e o vencedor será o solista do concerto para piano e orquestra, sob a batuta do maestro Zubin Metah . Muita atividade artística na estação primavera/verão .

TRUMP RECEBE ABBU MAZEN NA CASA BRANCA
O líder palestino, não sorriu muito depois do encontro com o presidente americano. Todos tentam desvendar o segredo do comportamento original de Trump, mas ele é sempre imprevisível.

Abbu Mazen foi com a esperança de obter apoio para o projeto de dois Estados e voltou decepcionado. Trump não disse sim, nem não. Insistiu na renovação do diálogo entre Israel e os palestinos.

Também para Israel, Trump reservou uma surpresa: chegará à visita programada para este mês, mas primeiro visitará a Arábia Saudita. Lá vai assinar um acordo para venda de armas  sofisticadas e tecnologias no valor de dezenas de bilhões de dólares.  Colaboração contra o Irã.

A data prevista para a sua chegada em Israel é 22/5 e deverá permanecer aqui dois  dias, ou seja, uma noite que será dormida no hotel King David, em Jerusalém. Vem com uma comitiva de 1.000 acompanhantes !!!

O programa de visitas ainda não foi divulgado, por problemas de segurança, como por exemplo, visita ao Kotel.
Nestes dois dias, além dos encontros com o presidente Rivlin e o primeiro ministro Netanyahu, será recebido pela autoridade Palestina em Ramalla.
É possível que haja modificações de última hora. Tudo é imprevisível.

NOVA LIDERANÇA NO HAMAS
Não é exatamente uma troca  na liderança, novos nomes, é apenas um jogo de troca de cadeiras. Durante 21 anos, Haled Mashal, dirigiu a organização terrorista à distância,  residia em Qatar, pois não tinha possibilidade de entrar em Gaza. Ismail Henia é o novo chefe do Hamas e também está de malas prontas para Qatar, como medida de segurança contra alguma bala israelense.

Deveria sair de Gaza no mesmo dia,  mas o Egito, sem explicações, fechou a passagem de Rafiach, impedindo a entrada de Henia no país.

O cargo  de líder da organização em  Gaza foi para as mãos de Ichie Sinuar, 55, responsável pela morte de mais de 10 palestinos acusados de colaboração com Israel. Esteve preso em Israel durante 23 anos e foi libertado na troca de prisioneiros para libertação do soldado  Gilad Shalit, que foi raptado pelo Hamas e ficou na prisão durante 5 anos.

Shalit foi libertado em troca de 1027 prisioneiros do Hamas, entre eles o novo líder terrorista de Gaza.

PRESENTE DE ANIVERSÁRIO
Exatamente no Yom Haatzmaut, a UNESCO, a organização de cultura e educação da ONU votou mais uma decisão contra Israel: não existe nenhuma ligação histórica, religiosa, arqueológica ou qualquer outra, entre Israel e a parte oriental de Jerusalém.

O Templo de Salomão, construido há mais de 3 mil anos, as ruinas da cidade de David , pai de Salomão, o Kotel, nada representa a soberania de Israel naquela época.

Esta é a obsessão muçulmana que conta com o voto automático de todos os países muçulmanos, além  da Suécia e o Brasil.
A Suécia foi o único país europeu que votou à favor da decisão, 22 países votaram à favor e 33 votaram contra ou se abstiveram.

Estas decisões não tem nenhum significado prático, simplesmente demonstram  que estes países que apoiam a obsessão muçulmana contra Israel, o  terror diplomático.

Aliás, os países muçulmanos só tem um ponto de concordância: o ódio a Israel. Entre eles, o desentendimento é total: permanentes conflitos entre os sunitas e xiitas.

CHUVA DE ILUSTRES VISITANTES

Gal Dunford com o Gal Ayzenkot

Em menos de um mês, Israel   tem sido visitado por dirigentes de países importantes na conjuntura mundial.
O primeiro ministro do Canadá, seguido do ministro do Exterior da Alemanha, atualmente estão de visita o Chefe do Estado Maior das Forças Armadas americanas e o presidente da Alemanha.E para completar a agenda, o presidente Trump.

O presidente alemão, Frank Walter Steinmeyer, já esteve várias vezes em Israel  demonstrando sempre amizade respeito.

Rivlin com Steinmeier e uma boa cerveja

Há duas semanas atrás, o ministro do exterior da Alemanha, Sigmar Gabriel insistiu em se encontrar com representantes de duas organizações de esquerda – Shovrim Schtiká e B’Tzelem – apesar da oposição  de Netanyahu que cancelou  o encontro oficial entre ambos.

Antes da chegada de Steinmeyer, foi levantada novamente a hipótese de uma nova crise diplomática pelo mesmo motivo , o que seria realmente conflitante para os dois países.

O bom senso atuou desta vez, o visitante não se encontrou com representantes das ditas ONG’s, mas no discurso proferido na Universidade Hebraica de Jerusalem deixou claro que  as organizações que lutam pelos direitos humanos, são  as guardiãs da democracia.

O General Joseph Dunford, chefe das forças armadas americanas veio a convite do general Ayzenkot , que exerce o mesmo cargo em Israel.

As forças armadas dos dois países tem interesses comuns na situação atual na Síria, principalmente, em razão das armas químicas em poder de Assad.

A  escalada do terrorismo do Daesh no Sinai e o contrabando de armas iranianas para o Hisbolla , são assuntos que serão debatidos entre os dois países , nos encontros com o ministro da defesa de Israel , Liberman e com o primeiro ministro Netanyahu.

ESPORTE
A equipe israelense de tênis em cadeira de rodas , ganhou a medalha de prata no Campeonato Mundial desta categoria, realizado  esta semana em Allegro, Itália.

Os israelenses disputaram a final com a Inglaterra, depois de uma campanha vitoriosa .
Kol Hakavod !

SHALOM ME ISRAEL

Comente