A arte de pensar

O ser humano é o único animal capaz de pensar. Einstein repetia que adorava ter tempo para pensar e pensar e pensar. Pensar nos dá a chance de refletir e escolher entre o certo e o errado – o chamado discernimento. Infelizmente, não é tão simples, pois o pensamento pode ser manipulado e/ou atrofiado, se não praticado desde cedo com Educação, Cultura, com a habilidade que apenas sua prática traz.

Tomemos, por exemplo, o caso do Curdistão, numa matéria que li há algum tempo. A região curda se divide entre a Turquia, Síria, Iraque e Irã, e num plebiscito ocorrido em setembro passado, na região do Iraque, mais de 90% da votação foi pela aprovação da separação. O presidente da Turquia apoia a criação de um Estado para os palestinos, mas não ratifica o pleito curdo, com as desculpas mais rasas. O presidente da Autoridade Palestina, através do presidente de Seu Conselho Legislativo Palestino, também é contrário à criação de um Estado para os curdos, especialmente porque Israel apoia tal criação.

Os países da região temem um enfrentamento com a Turquia, mas não temem demonizar Israel, e ainda manifestam sua preocupação pelo apoio israelense para a criação de um Estado para os curdos. Basta pensar que os judeus viveram 2000 anos sem um Estado para entender sua posição.

Há que se pensar de que modo funciona a mente dos homens que governam nosso mundo. Com dignidade ou hipocrisia? Com que valores apoiam ou rejeitam decisões populares? Como pensam?

Os vencedores da Segunda Grande Guerra levianamente dividiram a imensa área do Oriente Médio sem um conhecimento mais profundo da região, resultando daí países fracassados, feudos que seguem modelos mais do que retrógrados de governo. Os que venceram a Primeira Grande Guerra haviam cometido o mesmo erro, sem conhecimento real das áreas que iam retalhar ou costurar. A arte de pensar tem falhado entre os humanos. Os humanos têm falhado na arte de pensar.

Também falha quem pensa com imaginação demasiada. O julgamento do dia 24 de janeiro não será em torno de um Cristo, nem de um Antônio Conselheiro, como deseja Lula. Lula será julgado porque governou o país e deu, em 8 anos, o maior ganho da História que os bancos conheceram, irá a julgamento o homem que institucionalizou a corrupção no país, um homem que, como Sérgio Cabral, tinha tudo para mudar o país de verdade. Optou, ao contrário, por mudar sua conta bancária e a de seus filhos, escolheu dar migalhas ao povo, mas não a Educação que realmente livraria a população da escravidão da ignorância.

Ignorância que escolheu manter para melhor manipular. Ignorância que precisou manter para desviar a atenção do que acontecia de verdade no Brasil. Lula será julgado porque tem responsabilidade na falência do país – e ainda há outros processos que o aguardam. Cabral já foi julgado por 4 dos 20 processos que o incriminam. Sua atitude debochada e arrogante perante o Juízo e depois na cadeia talvez não justifiquem, mas explicam a atitude da polícia federal ao levá-lo para Pinhais algemado e acorrentado. Estranha-se que familiares próximos gritem contra um gesto, mas nenhum outro façam para forçar Sérgio e Adriana (além dos amigos e familiares que os encobrem) a devolver todos os milhões e milhões que roubaram do povo brasileiro e que são hoje a causa de sofrimento de milhões de trabalhadores deste país tão estuprado por seus dirigentes e empreiteiros e marqueteiros e outros embusteiros. Este gesto, sim, seria digno de ser visto, e capaz de iniciar uma longa redenção, cujos crimes, no caso de Cabral, já cobram 87 anos de expiação.

É verdade, a escolha de seus ministros do governo cabe exclusivamente ao presidente da República. Mas nesses momentos tão truncados e nublados e indignos que vivemos, em que o presidente ‘tem que manter isso aí, viu?’ nenhuma credibilidade tem, e escolhe sem outra opção que não a de trazer votos para uma Reforma que exige mais sacrifício de um povo que não lhe dá nenhum crédito, como não deu à incompetente e confusa Dilma Rousseff, poste de Lula, conforme suas próprias palavras (que brasileiro coloca um poste para governar pessoas e com que finalidades além de obscuras?) como esperar que uma deputada que foi condenada em dois processos trabalhistas faça algo pelo trabalhador brasileiro? Ou o ministro não é eleito para agir em favor da população? Em que pensava ao escolhê-la? No povo? Seis recursos negados, então o STJ, nossa segunda maior Corte, num sábado à tarde, no horário do futebol (coincidência?), através de seu vice-presidente, acolhe o pedido de Cristiane Brasil (quanta ironia usar Brasil no nome) e marca-se a posse urgente para segunda, às 9 horas da manhã, mas eis que no domingo a ministra Carmem Lúcia, do STF, nossa maior Corte, vai decidir em cima da decisão do STJ. Nossas Cortes andam tontas, nossos políticos inteiramente obnubilados, o pais ao léu. E tudo porque insistem em não agir sob a égide do bom pensar. Pensar é uma arte, a arte de pensar aprimora o homem. Mas o caminho parece mais longo e duro do que pensam nossos vãos políticos. E porque não se forja a arte de pensar com sabedoria e dignidade é que há algo de muito podre no reino de Brasília, podridão que se espalha por todo o Brasil.

Comente