Chol Hamoed Sukot

Chol hamoed é a designação para os dias semi festivos, intermediários entre o primeiro e último dia dos feriados que são comemorados com uma semana de diferença, como ocorre em Pessach e Sukot.

Estamos agora em Chol Hamoed Sukot. O país está em festa, em férias e a população festeja nas praias, parques, reservas naturais e todos os locais onde corre um fio de água.

O outono está chegando, mas ainda está quente durante o dia. As noites estão frescas e uma brisa fresca alivia o calor do dia.

A meteorologia também festeja. Eles adoram as frases: “Amanhã será quente, mas depois de amanhã haverá uma queda sensível da temperatura. De 30° para 28° C.”

Depois vem a previsão de chuvas: hoje depois das 12 h… mais tarde… amanhã. Quanto de chuva? Chuvisco com certeza. No domingo anunciaram que choveu em algum lugar que nunca é onde moro, em Kfar Saba.

Agora, quando escrevo estas linhas, domingo por volta das 17 h, começou a chover, risquem o que eu escrevi antes.

Por enquanto, ainda não desliguei o ar refrigerado. Mas nada disso incomoda às 150 mil pessoas que tem lotado, diariamente os parques e todos os locais atrativos para passear.

A programação é intensa: festivais de teatro, cinema, de contadores de história, espetáculos musicais, oficinas de chocolate, feiras de comida, o que vocês imaginarem, tem.

Domingo foi realizada a tradicional ” Bênção dos Cohanim” no Kotel , em Jerusalém . Mais de 100 mil pessoas estiveram presentes. É uma tradição que data de milhares de anos e é sempre emocionante ouvir as preces entoadas por tantas milhares de vozes .

É uma época linda em Israel, esquecemos um pouco as dificuldades e aproveitamos as belezas do país. Contudo, a vida segue o seu rumo com os problemas que a mídia não esquece de anunciar além de algumas notícias que nos trazem alegria, como ocorreu no esporte.

CAMPEONATO MUNDIAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA EM MONTREAL – CANADÁ

Judoca israelense no podium com a medalha de ouro

Realizado entre 2 e 8 de outubro 2017, é o mais importante da modalidade e Israel conseguiu uma medalha de prata em ginástica de solo.

Uma pirueta espetacular de Dolgofiat

O medalhista, Artium Dolgofiat, 20, é o primeiro atleta israelense premiado nesta modalidade, o que trouxe muito orgulho para o esporte de Israel.

Também no judô, Israel se destacou e o judoca Sagui Muki trouxe a medalha de ouro, disputando na categoria 81 kg com o mongol Niamshurin, no torneio realizado em Tashkent, Usbequistão.

Uri Sasson no final da luta

Neste mesmo torneio, o Grand Prix, Uri Sasson trouxe a medalha de ouro na disputa de mais de 100 kg. Uri competiu nas Olimpíadas do Rio de onde voltou com uma medalha.

A equipe feminina de judô tambem foi premiada – Yarden Meyerson ficou com a medalha de bronze na categoria de 70 kg . No total, os judocas israelenses trouxeram cinco medalhas.

Uma boa semana para o esporte israelense.

O SUPREMO NÃO ESTÁ DE FÉRIAS


Enquanto o povo passeia, os juizes da Côrte Suprema continuam trabalhando na defesa dos direitos dos cidadãos frente às Autoridades.

Já relatei em edições anteriores, que a Polícia pressionada pelos políticos anjos–da-guarda de Netanyahu, tentou de todas as formas impedir a realização das manifestações de protesto aos sábados à noite, próximo à residência do Conselheiro Jurídico do Governo, Mandelblit, em Petach Tikva.

Os manifestantes protestam contra a lentidão das averiguações nos processos que estão correndo contra o primeiro ministro.

Já foram inquiridos vários suspeitos envolvidos na acusação de corrupção, inclusive no exterior, mas nunca chega o dia do depoimento de Netanyahu. Meses passaram, entra chag, sai chag e o Conselheiro não consegue tomar uma decisão.

A polícia, alegando que os manifestantes incomodam o bem estar de Mandelblit e dos demais moradores da área, limitou para 500 o número de participantes do protesto, dificultando o acesso, fechando ruas, parando cada carro, exigindo licenças semanais, enfim impondo tantas dificuldades que não houve alternativa senão apelar para o Supremo, pedindo garantias ao direito de livre expressão.

No domingo o Tribunal emitiu o resultado dos debates: o Conselheiro Jurídico pode ser alvo de críticas como qualquer cidadão. Não goza de imunidade como todos os servidores públicos. As manifestações são legais com qualquer número de participantes e sem receber licença da
polícia a cada semana. Como dizia Begin, existem juizes em Jerusalém.

O 33º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DE HAIFA
Este é o maior acontecimento cinematográfico de Israel  e está sendo realizado entre 5 a 14 de outubro em Haifa  com a projeção de mais de 200 filmes de todo o mundo.

Serão apresentados filmes de várias categorias: arte, masters, Echocinema, clássicos, estreias de filmes israelenses, doculinária, VR Experiences, além de encontros com os produtores, filmes internacionais premiados. Um grande programa. Na praça do Festival tem projeção aberta para o público.

EM DEFESA DAS MULHERES PRESAS AO CASAMENTO
A religião judaica é bastante aberta com relação ao divórcio. Aceita o casamento como um contrato provisório, não unidos até que a morte nos separe. Mas tem um problema que foge ao aspecto liberal: só o homem pode conceder o divórcio. A mulher pode pedir o divórcio, mas só o marido pode libertá-la da corrente nupcial.

Na maioria dos casos, os desentendimentos se resolvem  com ou sem muita intervenção dos tribunais rabínicos. Mas nem tudo.

Existem maridos que exploram a mulher exigindo vantagens materiais para conceder o divórcio, por exemplo, que a mulher abra mão da sua parte na divisão dos bens móveis ou imóveis, ou pior, exigindo a guarda dos filhos. Uma verdadeira tortura.

Pior ainda são os que recusam terminantemente em conceder o divórcio e desaparecem, deixando a mulher sem possibilidade de casar novamente – são as agunot.

Este problema ocorre em geral, entre os haredim, que não apelam para os tribunais de família do sistema jurídico do país, pois não os reconhecem válidos.

Em Israel, milhares de mulheres são vítimas do casamento ortodoxo que concede ao homem direito de propriedade sobre elas.

Atualmente, muitos jovens não religiosos optam pelo casamento civil no exterior  ou em Israel , na comunidade reformista, conservadora e outros preferem fazer um contrato com advogados especializados no assunto, fugindo do perigo que o casamento no Rabinato pode representar se um dia resolverem desmanchar o pacote.

O assunto é tão sério, que uma deputada, Revital Suid, da Machané Hatzioni, está propondo uma lei que visa criar um “Arquivo Nacional” que concentre o nome, informações pessoais e fotografia do marido fugitivo  para que seja mais fácil encontrá-lo, tanto em Israel como no exterior.

O Grão Rabino de Israel, David Lao, apoia a iniciativa que abre uma porta de esperança para as mulheres se libertarem desta corrente de sofrimento, desigualdade, injustiça familiar e social.

MULHERES FAZEM A PAZ

Este movimento feminino está tentando fazer o que os homens há mais de 70 anos não conseguiram: trazer Paz no Oriente Médio. Paz entre Israel e os palestinos.

Conseguir mobilizar mais de 10 mil mulheres judias de todas as correntes políticas e religiosas, árabes muçulmanas, cristãs, drusas, circassianas, palestinas e israelenses, numa passeata de duas semanas de Sderot até Jerusalem, sem nenhuma ajuda oficial, não é algo simples, mas não impossível para as mulheres.

São mães, avós, jovens, que trabalham, estudam, criam filhos e o trabalho voluntário em prol do movimento é feito nas poucas horas livres que restam dos dias sempre cheios das mulheres.

Não é fácil convencer aos homens do que as mulheres são capazes de fazer. Também é difícil, às vezes, convencer às mulheres que elas tem esta força de movimentar as entranhas da terra para conseguir a meta desejada. E a Paz é algo que merece lutar para conseguir. São nossos maridos e filhos, pais e irmãos que caem nas guerras que até hoje não levaram a nada. Os homens sabem fazer guerra mas as mulheres sabem guerrear pela Paz.

Em todas as partes do mundo as mulheres tem que se unir pela Paz. Não só entre Israel e os palestinos, mas entre os palestinos das diferentes facções, entre os muçulmanos das diferentes correntes religiosas.

Os conflitos existem em quase todos os continentes deste planeta. Na Espanha os catalanos enfrentam a oposição do governo, os curdos no Curdistão contra o governo iraqueano, na Síria depois de sucessivos acordos de cessar fogo a guerra continua  e assim vai pelo mundo afora. Sempre os homens estão à frente destas lutas.

Não sou feminista, mas nós somos pelo menos 50% da humanidade, temos a obrigação de ajudar ombro a ombro aos nossos companheiros e ajudar a tornar este mundo um lugar melhor para se viver, criar nossos filhos, protejer as nossas famílias, nossas comunidades, nossos paises. Mulheres ! tomem as rédeas e juntem – se ao Movimento em prol da Paz!

TZEVA ADOM NA REGIÃO DE ESHKOL
Para dar um pouco mais de emoção às comemorações de Chol Hamoed Sukot , nada como o soar de uma sirene de alarme no sul de Israel –Cor Vermelha, é o código.

Israel tem enviado mensagens muito claras ao novo governo de união entre Hamas e Fatach – Autoridade Palestina. Enquanto eles não decidem quem é o responsável pelo uso de armas contra Israel, o governo aqui já decidiu: Hamas continua na relação internacional de organizações terroristas e como tal, não será reconhecido por Israel como parte do governo palestino. Assim sendo qualquer agressão contra Israel será revidada em direção a Gaza. E foi o que aconteceu. Felizmente não houve vítimas nem danos materiais. Foi um grande susto. E já estamos novamente em vésperas do Chag.
Desejo a todos Chag Simchá Torá feliz, que possamos comemorar muitos chagim juntos e que a Paz reine entre os povos !
SHALOM ME ISRAEL

 

 

 

Comente