Depois das festas

Netanyahu e Aisheich em tempos melhores

ACHAREI HA CHAGIM – DEPOIS DAS FESTAS
Finalmente chegamos a semana, depois das festas, voltamos à rotina, à normalidade. No Estado Judeu, as festividades religiosas são também nacionais e desde Rosh Hashana (Ano Novo) até Sukot – Simchat Torá – Shmini Hatzeret ( a festa dos Tabernáculos ), tivemos três sábados, seis dias de chag e oito dias de Chol Hamoed!

Dá para deixar qualquer um tonto. O comércio fechado na véspera e no dia do chag, as repartições públicas trabalhando em meio expediente, o trânsito enloquecido com a quantidade de carros, os Shoppings Centers super lotados, tudo anormal para quem aprecia uma vida mais calma.

Mas passou. A vida retorna aos eixos e até a política que estava meio adormecida, no sábado à noite – motzei shabat – voltou à ebulição.

Os toques do WhatsApp, do Ynet e os piados do Twitter nos transmitiam as novidades, as manchetes no Facebook do Primeiro Ministro Netanyahu que protestava violentamente contra o chefe da Polícia, Alsheich, acusando-o de delatar intencionalmente que seria inquerido nos próximos dias.

Todos sabíamos que chegaria o “Acharei ha Chagim” com os processos que estavam engavetados esperando o dia, que chegou.

Alsheich, foi nomeado para o cargo por escolha de Netanyahu. É da direita, religioso, portanto não faz oposição ao primeiro ministro, simplesmente, está cumprindo a sua função.

O ataque ao Chefe da Polícia foi desproporcional e perigoso, pois lança dúvidas contra a legitimidade da autoridade legal: “tsuname de delações contra mim através de assessor externo. O público entende que está havendo uma caçada contra mim” , estas foram as palavras de Netanyahu.

Ben Dror Iemini, do Yediot Hacharonot, publicou domingo um artigo do qual cito o primeiro parágrafo:” Netanyahu iniciou uma campanha visionária, perigosa, despertando a descrença do público pelo Chefe da Polícia e do Conselheiro Jurídico, ambos nomeações pessoais. Em determinados círculos isto funciona. A delegitimação já está à caminho. Como disse Sarah Netanyahu sobre Israel depois da era de Netanyahu? Que se queime o país”.

A RECONCILIAÇÃO
Depois de dois dias de conversações maratônicas – 25 horas de debates – as delegações do Fatach e Hamas assinaram um acordo de reconciliação, sob os auspícios do chefe do Serviço de Informações do Egito, Chaled Fauzi, no Cairo.

Salach Eauri, vice –líder do Hamas e Azam Al-Achmed, membro da liderança do Fatach, assinaram o acordo, que segundo os entendidos, tem muito mais desacordo do que concordância. O fato de que os assinantes são do segundo time e não os líderes, já levanta suspeitas quanto a seriedade das intenções, além de que nos principais pontos de divergência ,não houve entendimento.

Esta é a 3ª vez que as duas correntes palestinas assinam acordos nos últimos 6 anos, que não foram cumpridos.

Em 2006, quando foram realizadas eleições gerais em Gaza e nos territórios palestinos , o Hamas elegeu mais de 70 representantes para o parlamento palestino e o Fatach um pouco mais de 40.

Durante meses foi discutida a possibilidade de formar um governo de União Nacional, que após conflitos violentos entre as duas correntes, caiu por terra e o Hamas se apoderou de Gaza, separando completamente os dois governos.

Com isso, Israel não se apressa em entrar em conversações com Abbu Mazzen, presidente da autoridade Palestina sob a alegação verdadeira de que ele não representa todo o povo palestino .
Desde que A -Sissi foi eleito presidente do Egito, não tem medido esforços para conseguir uma aproximação entre israelenses e palestinos. Trump, por seu lado, tem apoiado a iniciativa egípcia que vem de encontro com a sua estrategia no Oriente Médio.

A-Sissi tem como meta tornar o Egito o país predominante na região, mas para alcançá-la é necessário terminar com o conflito israelo-palestino. Esta será a chave mestra do seu plano.

O acordo assinado na 5ª feira no Cairo, tem mais buracos do que linhas, mas é o primeiro passo: a Autoridade Palestina receberá a responsabilidade governamental e administrativa da Faixa de Gaza, como tambem o contrôle das passagens de fronteira de Gaza para Israel – Erez e Kerem Shalom.
Não se chegou a nenhum acordo com relação ao contrôle da Segurança de Gaza, qual o destino do braço militar do Hamas,dos funcionários do Hammass nos departamentos govenamentais , se será renovada a atividade do Parlamento Palestino e por último, o que será decidido com relação aos ativistas do Hammass aprisionados no território palestino.

Israel enfrenta uma situação que não lhe permite reconhecer o novo governo palestino, se for constituido, pois seria dar legitimidade a uma organização terrorista. Em segundo lugar , se Hammass não for desmilitarizado , estaremos diante da mesma realidade do Líbano : um país cujo exército é dominado por uma organização terrorista, o Hesbollah.

A Autoridade Palestina não tem exército, tem apenas força policial, mas o Hamas está armado até os dentes, além de fabricar foguetes, material explosivo, drones e outros artefatos de guerra, com a ajuda do Irã. Será impossível chegar a qualquer entendimento com estas condições, além das declarações da liderança do Hamas de que não reconhecerá Israel.

As assinaturas foram em papel mas tem o mesmo crédito e valor como se tivessem sido assinadas em gêlo.

NOVIDADES NO SETOR DA OBSTETRÍCIA


A estatística demonstra que um em cada quatro partos no mundo ocidental é cirúrgico, ou seja, por cesariana, que tem uma recuperação longa, acompanhada de dores, exigindo repouso e internação de no mínimo cinco dias.

Uma técnica moderna, desenvolvida por um obstetra frances, Dr. Denis Fauck, está sendo usada com sucesso em Israel, como em muitos serviços médicos adiantados do mundo.

O acesso cirúrgico, ao contrário da técnica clássica que usa um corte horizontal, é feito por corte vertical, na direção das fibras dos músculos abdominais, sem atingir o peritôneo.

A cirurgia por esta técnica tem uma recuperação rápida, permitindo à parturiente se levantar e andar depois de 4 a 5 horas, ser liberada 36 horas após a cirurgia e é menos traumática para o feto, que não é “puxado” pelo cirurgião, que simplesmente abre o caminho para sua saida normal.

Mulheres que já passaram por cesariana clássica e agora foram operadas pela técnica do Dr.Denis, relatam que a sensação é de um parto normal. Que seja em boa hora !

AQUECIMENTO REGIONAL

Foguete SA-5 da Síria

No domingo à noite, novamente, soou a sirene de alarme no sul de Israel e forças de defesa encontraram dois foguetes que explodiram em área não habitada, não causando danos nem vítimas.
Horas depois, o Daesh anunciou que era o autor do ataque e que os foguetes haviam sido disparado do Sinai.

O Daesh, com a derrota na Síria, está expandindo a sua área de ação  e criando células muito ativas fora do Oriente Medio.

Algumas horas antes do lançamento dos foguetes contra Israel, terroristas do Daesh atacaram posições do exército egípcio no Sinai, matando seis soldados. No revide egípcio perderam 24 combatentes.

No sábado, em Mogadiscio, capital da Somália, caminhões bomba explodiram no centro comercial da cidade, deixando um saldo de mais de 300 mortos e 500 feridos. Não há mais nenhum lugar seguro neste planeta.

Na 2ª feira pela manhã, aviões israelenses que sobrevoavam o espaço aéreo libanes em missão de fotográfica , foram atacados por foguetes sírios.

O espaço aéreo do triângulo sírio-libanes-israelense , comporta um movimento intenso de aeronaves de distintos paises: Síria, Rússia, Irã, Turquia e tambem Israel, o que torna a região norte e centro de Israel muito vulnerável a ataques.

A Força Aérea de Israel realiza permanentemente voos de inspeção pois a possibilidade de ataques até a aviões civis com destino ou partindo de Israel é muito real.

A reação de Israel, atacando uma bateria de foguetes SA-5 do exército sírio, significa que existe uma linha vermelha que não pode ser ultrapassada sem risco.

A mensagem diz ao governo sírio, que Israel não tem nenhum interesse em aquecer a região com mais um conflito bélico , mas os limites de intervenção síria nos afazeres da defesa do país, devem ser muito claros. Tudo isto acontece quando o Ministro da Defesa russo está de visita em Israel ….

ESPORTE
Desta vez Israel se destacou numa modalidade esportiva da qual raramente participa: automotor . É um esporte caro, que exige patrocinadores que talvez prefiram investir em esportistas de outros paises. No domingo, Alon Dai, 26 , foi condecorado campeão europeu de corridas de carros Nascar, o maior feito israelense neste esporte.
KOL HAKAVOD.

DE VOLTA A UNESCO


The United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization, que durante os últimos anos concentrou suas atividades em condenar Israel e tomar resoluções contrárias à realidade histórica , arqueológica e científica, como decidir que Israel não tem nenhuma relação sob estes aspectos, com Jerusalem, Hevron, inclusive com a Cave dos Patriarcas  e outras demonstrações de politização e ignorância, terá uma nova direção.

A francesa Audrey Azoulay, ex-ministra da Cultura da França, foi eleita diretora-geral da entidade.
Antes das recentes eleições para a direção da entidade, o presidente americano Trump havia anunciado que os Estados Unidos se desligariam da UNESCO em dezembro de 2018. Israel tomou a mesma inicitativa, em sinal de protesto ao rumo das realizações da organização e do caminho pro- islâmico das suas decisões.

A nova diretora-geral é judia, filha de marroquinos, mas muito determinada em dirigir a Unesco com imparcialidade e já começa a sua gestão com um grande projeto, trazer de volta os Estados Unidos, um grande contribuinte.
Por hoje é só.

SHALOM ME ISRAEL

 

Comente