Irã, manipulador do terrorismo mundial

Netanyahu em Davos

Para ser fiel aos meus leitores,  deveria enviar diariamente um noticiário. São tantos os acontecimentos importantes ou interessantes que ocorrem neste país, nesta região ou mesmo longe, mas que influenciam no nosso dia a dia, que dariam matéria para publicar todos os dias.

Não se preocupem. Não vou castigá-los com o meu blá-blá-blá todos os dias. Mas vejam, na semana passada foi realizado o tradicional Forum Econômico Mundial de Davos, na Suiça, onde a liderança mundial se encontra para discutir, conversar sobre tudo e um pouco sobre economia.

Trump, Macron, Angela Markel, Narendra Modi, Thereza May  etc, etc, três mil participantes de todo o mundo.

Netanyahu, também, claro, que se encontra novamente com Trump,  Markel, Macron e uma lista enorme e qual o assunto? Irã.

No Fórum Econômico Mundial Netanyahu debateu com todos sobre o problema do Irã como manipulador do terrorismo mundial, como fornecedor de armas para o Hamas, Hesbollah, Síria, que tem como mira Israel.

Debateu com os líderes europeus envolvidos nos problemas do Oriente Médio, sobre a situação na fronteira norte de Israel, em consequência da ação bélica da Turquia contra os curdos, que são apoiados por Trump e as balas se desviam na direção de Israel, pediu a influência de Macron sobre o Líbano, que se transformou numa enorme indústria de armas, principalmente, foguetes sofisticados ameaçando a segurança de Israel e com todos e principalmente com Markel  para apoiar Trump a modificar o acordo nuclear com o Irã. Economia?

O parlamento polonês está em vias de aprovar uma lei que condena a prisão de quem declarar que a Polônia colaborou com os nazistas durante a 2ª Guerra Mundial, justo agora, quando se assinala o Dia internacional do Holocausto – 27 de janeiro – o dia , em 1945 , da libertação de Auschwitz , o maior campo de destruição humana montado na Polônia.

Como se recebe uma notícia desta em Israel onde vivem 94.500 sobreviventes do Holocausto ?

Realmente, também, poloneses morreram em campos de concentração, mas a Polônia e os poloneses
não colaboraram, não sabiam?

Auschwitz era o maior campo, o maior complexo de concentração humana, usada em trabalhos forçados, condenada a morrer de fome, doenças e nos fornos crematórios. Foi o campo que ficou em uso por mais tempo – de 1940 a 1945 – com o maior número de assassinados – 1.200.000 de seres humanos, dos quais 91% , 1.100.000 eram judeus.

Auschwitz era um conglomerado de 45 campos numa área de 40 km quadrados, 50 km ao sul de Krakow. Os campos centrais eram os Auschwitz I , II e III, Birkenau e Monovitz .

Tudo isso nas proximidades de cidades e aldeias e ninguém viu,nem ouviu nada.

A notícia da nova lei polonesa caiu como uma bomba em Israel: o embaixador polonês em Israel foi chamado ao Ministério das Relações Exteriores, o embaixador de Israel em Varsóvia pediu um encontro urgente com o primeiro-ministro polonês que conversou com Netanyahu pelo telefone.

Os sovreviventes destes campos, principalmente, os poloneses, não puderam conter a indignação. Como é possível mudar a história?

A Polônia dos anos 30 do século passado era a maior concentração judaica da Europa – 3 milhões de judeus viviam lá. Quem sobreviveu, não esqueceu .

A mídia israelense transmitiu entrevistas com dezenas de sobreviventes poloneses que se referem aos poloneses como mais crueis que os nazistas.

Em Israel o Dia do Holocausto, Yom Hazikaron La Hashoá Velagvurá, é assinalado na data do início do Levante do Gueto de Varsóvia, Kav Zain le Nissan (calendário judaico), que este ano será entre a noite de 11 e 12 de abril, portanto na data internacional, só é realizada um cerimônia oficial, sem todos os aspectos nacionais e religiosos da data judaica.

Em continuação ao noticiário, Netanyahu mal regressou de Davos e na 2ª feira viajou para Moscou, onde permanecerá apenas cinco horas, num encontro com Putin. O assunto em pauta: Irã, que está consolidando a sua permanência na Síria. O general Hertzi Halevi, chefe do Serviço de Informações, acompanhou Netanyahu além de outras altas patentes israelenses.

O encontro com Putin, tão urgente, foi realizado na véspera da abertura da Reunião de Sochi, organizada pela Rússia  para debater o futuro da Síria após a guerra.

Os opositores de Bachar el Assad, presidente da Síria, vão boicotar a reunião que deverá ser realizada na 3 ª feira, 30/1/2018.

A França, Inglaterra e outros paises europeus também comunicaram que não vão participar da reunião, pois não concordam com os termos expostos por Assad como condições prévias para o debate.

A presença militar do Irã na Síria, a intervenção bélica da Turquia no Curdistão, representam um grave perigo para a segurança de Israel, pois os curdos foram a força que obrigou o Estado Islâmico e os outros movimentos terroristas, a desocupar o norte da Síria. A Rússia, que desde o início da guerra na Síria, participou das lutas, principalmente, com a sua força aérea, está querendo se retirar da arena e Netanyahu foi tentar convencer Putin de não entregar a Siria e Líbano como presente aos iranianos e turcos.

Nos últimos dias, a população síria da região conflagrada, está pagando com a vida de inocentes, a confirmação da estratégia iraniana de completar o eixo xiita entre Damasco e Beirut.

Israel não pode ficar impassível e quer estabelecer um diálogo estratégico militar com a Rússia para impedir a entrada de milícias xiitas iraquianas bem como atuar contra a associação do Irã nos campos petrolíferos de Dir-a-Zur , que vai conceder a Teerã as bases econômicas para enfrentar as ameças de sanções de Trump.

A PRIMEIRA MULHER COMANDANTE DE ESQUADRÃO DE VOO
A major Tuli, 35 , casada com um tenente-coronel da aviação de Israel , será a primeira mulher nomeada para este cargo recebendo também o posto de tenente-coronel.

Nesta função será responsável pelo controle da atividade operacional da Base Militar Chatzor, onde está destacada.

O casal de aviadores tem duas filhas e respondendo à perguntas de jornalistas sobre o desempenho familiar em condições tão especiais, disseram que durante a guerra Tzuk Eitan  estiveram simultâneamente no ar, em operações de ataque aéreo.
Corajosos!

PROFESSOR MOSHE NEGBI , Z”L – O GUARDIÃO DOS DIREITOS HUMANOS , LIBERDADE DE IMPRENSA E DA ÉTICA


Aos 68 anos, depois de lutar corajosamente contra o câncer, faleceu Moshe Negbi, veterano jornalista e jurista. Durante décadas apresentou o programa de debates Din Udvarim (Debate), na Rádio de Israel, publicou artigos nos principais jornais de Israel, além de lecionar nas Universidades Hebraica de Jerusalém, Tel Aviv e Bar Ilan.

O presidente Rivlin declarou que ” Negbi foi um exemplo de integridade profissional e moral e se tornou um mentor e uma bússola moral para muitas pessoas, até os seus últimos dias de vida”.
Centenas de pessoas o acompanharam até a sua última morada, nesta 2ª feira, em Kfar Saba .

DIVAGAÇÕES CLIMÁTICAS
Após 5 anos de seca no inverno, este ano as chuvas chegaram em quantidades apreciáveis,suficientes para engrossar os filetes de água –riachos que secam durante o verão – e até o rio Jordão, que transbordou numa pequena área.

O Kineret subiu 9 cm com as últimas chuvas, mas necessita de mais 5 metros para voltar ao seu volume normal.

Como sempre, chuvas intensas em pouco tempo causam transtornos nas estradas, enxurradas e inundações e aí todos reclamam, apesar de reconhecer que estas águas celestiais são necessárias.
Os agricultores celebraram.

Quem quiser esquiar em Israel, pode fazer as malas. O Hermon recebeu boas tempestades de neve e já abriu suas pistas de esqui ao público. Acumulou 70 cm de neve, o que não se compara com as estações de esqui europeias, mas dá para se divertir.

O Serviço de Meteorologia prevê mais chuvas e neves na próxima semana. Em boa hora!

AFIADO E LISO


Vadislav Bikanov, de Israel, ganhou a medalha de bronze no Campeonato Europeu de Patinação no gelo na corrida de 1.500 m.

Um dia depois, bateu seu próprio recorde em 3.000m, que não consta nos Jogos Olímpicos, mas demonstrou que está preparado para os Jogos de Inverno que serão realizados na Coreia do Sul.

Vladislav chegou ao topo da patinação rápida ainda criança. Chegou a Israel aos cinco anos ,com seus pais, vindo da Ucrania e se estabeleceram em Kyriat Shmone, onde começou a praticar este gênero de esporte. Aos 13 anos participou de uma competição internacional na Itália, alcançando o 1º lugar.

Desde então, continuou a praticar o esporte, representando Israel nas competições internacionais, sempre com sucesso.

É a esperança de Israel para as próximas olimpíadas, nesta categoria.

CHAG TU BESHVAT SAMEACH ! FELIZ ANO NOVO PARA AS ÁRVORES !
SHALOM ME ISRAEL

 

 

3 Comentários

  1. Isaías
    Isaías 29 de Janeiro de 2018 at 20:51 |

    Deus seja com Israel!

    Responda este comentário
  2. Carlos Henrique
    Carlos Henrique 30 de Janeiro de 2018 at 14:10 |

    Que sorte que o EUA não apoia nenhum terrorismo e estão ai para defender o mundo contra o terror. Ufa !!!
    Posso dormir mais tranquilo. 🙁

    Responda este comentário
  3. Pedro Henrique de Paiva
    Pedro Henrique de Paiva 30 de Janeiro de 2018 at 22:13 |

    Assinei o jornal por sua causa; conheço e admiro seu filho, Dan, que já atendeu muitos pacientes meus. É uma satisfação lhe ler (nem sempre as noticias são agradáveis) mas não se pode descansar um minuto em relação aos bárbaros de todos os continentes.
    LE HEIM!!!!

    Responda este comentário

Comente