Israel como você ainda não viu

Em 2018, Israel irá completar 70 anos de existência e esta data será muito bem comemorada com vários eventos nesse incrível país.

Você pode imaginar a emoção de estar no Memorial de Har Hatayasim,  na Cerimônia de Yom Hazikaron com a Unidade da Força Aérea? Já imaginou estar presente à Festa de Gala de Yom Haatzmaut com representantes do Keren Hayesod do mundo inteiro?

Pode começar a imaginar, pois o Fundo Comunitário do Rio de Janeiro criou, especialmente, para esta data festiva, uma viagem para Israel, diferente de todas as outras que você já viu ou fez à terrinha.

Missão Espanha/Israel – 70 anos conta com um roteiro diferenciado, especialmente, elaborado em conjunto com o Keren Hayesod.

A Missão terá inicio na Espanha e todos os participantes irão desfrutar de passeios históricos, culturais,  gastronômicos, além de conhecer ícones da sociedade espanhola e israelense. O jornalista Henrique Cymerman e a apresentadora Lucy Aharish da TV israelense farão palestras exclusivas.

Agora, se o seu objetivo for só visitar Israel, tudo bem, a sua viagem poderá começar neste país, seguindo o roteiro a partir de Tel Aviv. A Espanha é um “plus” para aqueles que desejarem conhecer mais a história dos judeus sefaraditas.

A história dos judeus em Sefarad, como é chamada a Espanha em hebraico, foi longa e rica, marcada por épocas áureas e outras de terror, à medida que romanos, visigodos, muçulmanos e cristãos se sucediam no poder. Foi durante o domínio muçulmano omíada que floresceu, em Sefarad, uma comunidade judaica famosa, tanto por sua sabedoria e conhecimentos quanto por sua importância econômica e política. Em terras ibéricas surgiram os maiores sábios e poetas de toda a história judaica.

A comunidade judaica de Sefarad floresceu, tornando-se o mais importante centro cultural e religioso do mundo judaico e produzindo milhares de obras, seja no campo da filosofia e teologia judaica seja em todos os ramos da ciência e da literatura. Graças a seu conhecimento da língua e cultura árabe, assim como das línguas latinas e o hebraico, os judeus espanhóis se tornaram emissários das atividades científicas e culturais da Espanha islâmica no restante da Europa.

Seguramente, no final do século 3, era grande o número de judeus em várias partes da Hispânia, especialmente nas regiões de Granada, Córdoba e Sevilha, ao Sul, Toledo e Barcelona, ao Norte. Achados arqueológicos revelam, que os judeus viviam em comunidades prósperas e organizadas. No período romano, sua vida era, relativamente, tranquila, pois o judaísmo era permitido. Cada comunidade podia, entre outras, estabelecer sinagogas, cemitérios, cobrar impostos, bem como manter tribunais para julgar disputas entre os membros da comunidade. Mas, a situação foi-se modificando à medida que o Cristianismo, passou a ser adotado pela população hispano-romana.

No roteiro da “Missão Espanha/Israel – 70 anos” estão incluídas visitas à sinagogas e antigos bairros judaicos nas cidades de Madrid, Toledo, Granada, Cordoba e Sevilha.

Passeio de Segway na orla de Tel Aviv

Chegando em Israel, nada de passeios de carro, ônibus ou van, a grande novidade agora é um  passeio de Segway (meio de transporte, individual, de duas rodas) pela orla de Tel Aviv e, a partir daí, encontros com personalidades da sociedade israelense e visitas a lugares e centros históricos que, dificilmente, você faria seguindo os roteiros turísticos tradicionais.

Sarah Aaronsohn

Só para ilustrar, um dos locais que serão visitados é a casa de Sara Aharonson em Zichron Yaacov.

E quem foi Sarah Aaronsohn? Era uma espiã judia que trabalhava para os britânicos na Primeira Guerra Mundial e considerada uma heroína.

Nasceu e morreu em Zichron Yaakov, que na época fazia parte da Síria. Seus pais eram sionistas da Romênia, que haviam vindo para a Palestina como alguns dos primeiros colonos da Primeira Aliah e foram os fundadores do moshav onde Sarah nasceu. Estudou idiomas e era fluente em hebraico, ídich, turco e francês. Ela se casou com Haim Abraham, um comerciante mais velho e afluente da Bulgária, e viveu brevemente com ele em Istambul; mas o casamento não deu certo e ela voltou para casa em Zichron Yaakov em dezembro de 1915.

No caminho de Istambul para Haifa, Aaronsohn testemunhou parte do genocídio armênio e ficou tão impressionada com o que viu, que decidiu então ajudar as forças britânicas como resultado do que testemunhou.

Terra que emana leite, mel e vinho

Tudo bem que Israel é a terra das Start Ups  mas que tal sair um pouco do lugar comum e visitar a famosa vinícola Tishbi, que hoje está nas mãos da quarta geração da família. Só a título de curiosidade, nas últimas décadas, Israel tem se destacado no ranking mundial de vinhos, caminhando lado a lado com os grandes produtores internacionais.

Por trás desse sucesso, estão o clima seco e com grandes variações de temperatura, o solo propício e o sol intenso, que caracterizam o país como ideal à vinicultura. Do norte, com altitudes de até 600 metros e alguma neve eventual, ao Deserto do Neguev, no sul, Israel tem uma paisagem muito apropriada à cultura dos vinhedos. Soma-se a este quadro, determinação e criatividade da população, aliada a técnicas avançadas de agricultura, do cultivo à colheita. Uma tarefa árdua, porém gratificante, pois os rótulos israelenses têm conquistado prêmios e a admiração tanto dos produtores quanto dos especialistas do setor.

E para quem acha que já conhece tudo em Israel, que tal um passeio de jeep através da Burma Road?

Ah, você não conhece? Então vamos explicar! A Burma Road em Israel era uma estrada de desvio improvisada entre o Kibutz Hulda e Jerusalém, construída sob a supervisão do general Mickey Marcus durante o cerco de Jerusalém em 1948.

Durante a fase inicial da guerra de 1948 na Palestina (de 29 de novembro de 1947 a 15 de maio de 1948), as forças árabes locais assumiram o controle das colinas com vista para a estrada para Jerusalém (Estrada 1), entre Sha’ar HaGai (Bab el-Wad ) e Al-Qastal , sitiando a população judaica da cidade. Os veículos que tentavam usar a estrada, o único link de Jerusalém para a costa, levaram fogo pesado. Os comissários que transportavam alimentos, armas e suprimentos médicos enviados pelo Yishuv sofreram grandes perdas e muitas vezes não passaram pela cidade. Assim, essa importante rota para Jerusalém, construída antes da independência, salvou a vida de milhares de judeus.

Passar de Jeep por este caminho, 70 anos depois, será uma aventura e tanto, não é mesmo?

Bem, se você deseja conhecer o roteiro completo da Missão Espanha/Israel – 70 anos, ligue para 2257-2556 e solicite informações.

Boa viagem!

Comente