Mundo, triste, vasto mundo

ursinho

Que dizer diante de um vídeo de crianças tornadas órfãs por causa de uma guerra insana, no fundo guerra de egos e de experimentos com armas novas? São 47 crianças mantidas num orfanato na Síria, imploram em vídeo que as resgatem do inferno em que vivem, já sem pais, com fome e sede, abandonadas pelo mundo civilizado (?).

Sentimo-nos pequenos, ínfimos, diante de criaturas tão fragilizadas, tão marcadas e desamparadas devido à loucura adulta.

E que dizer dos pais sírios, pedindo licença a seus religiosos para matar suas filhas, a fim de evitar que sejam estupradas quando forem capturadas? A inversão de ordem e de valores é tamanha, que nem se percebe que a única coisa a fazer é acabar com os estupradores. Por Deus, que tipo de gente – ou monstro – se desenvolveu mundo afora?

As lições de Primo Levi ecoam em cada insensatez humana com que nos defrontamos. Algum dia aprenderemos a resolver problemas em torno de uma mesa e somente em torno dela, como queria Freud?

Num de seus ensaios do livro ‘A assimetria e a Vida’, Primo Levi conta a história de um poderoso judeu, chefe da Judenrat nos guetos da Polônia, que fazia questão de se manter sempre acima de seus comandados, dono da vida que por ele seria entregue aos nazistas, para os terríveis ‘reassentamentos’. É claro, seu dia chegou de ser também ‘reassentado’, e ele fez questão de viajar num vagão especial, imaginando que seu destino seria diferente dos que iam apinhados, nos vagões de carga. Não foi.

Aos judeus, cabe sempre um comportamento exemplar e humano, pois somos uns responsáveis pelos outros, embora alguns duvidem de tal sorte. Leda ilusão. Os equívocos de um judeu maculam toda a comunidade.

Do mesmo modo, as notícias de nossa política, ao envolverem judeus, são igualmente preocupantes. A filha do Ministro Luiz Fux ter sido nomeada desembargadora, com poucos anos de prática de advocacia, sem concurso para juiz, recebendo salário de r$43.000,00 ao mês, mereceu dura crônica no jornal O Globo da semana passada. Como replicar diante de fatos? De igual sorte, a tentativa do desembargador Luiz Zveiter, já presidente do TJ-RJ por duas vezes, e que manobrou para voltar à presidência, contrariando as normas do TJ, foi desastrosa. Viu-se eleito, sim, para logo em seguida ter sua eleição anulada pelo STF. Não precisava passar por isto. A lei é para todos. A Revolução dos Bichos já é conhecida de muitos, para ser usada ao bel prazer de uns poucos.

Vem-me à ideia a fala do cardeal Wolsey, em Henrique VIII, de William Shakespeare, quando cai em desgraça perante o rei: ‘Meus feitos bons foram escritos na areia… Meus erros, eu os carrego nos ombros, como chumbo’.

O ministro Luiz Fux foi meu professor, e era exemplar, nos anos em que fiz Direito na hoje sofrida UERJ. Desde então, acompanho sua trajetória, alguns tropeços, muitos acertos. Que os ombros não lhe pesem demais, porém cada ato merece ponderação e sensatez. Mormente em cargos poderosos.

Ou se terá a patuscada encenada pelo senador Renan Calheiros, que ousou desrespeitar o Judiciário, colocando-o em situação secundária e submissa; isto após o fatiamento do impeachment, com a ajuda do sempre igual ministro Lewandowski, agora forçando a que imaginávamos fortaleza, ministra Carmem Lúcia, a um fatiamento da decisão de afastar um senador campeão de investigações na Lava-Jato.

Diante das denúncias diárias, que sempre trazem novos nomes, crimes velhos e advogados que já batem boca com juízes e os enfrentam – a mando de seus clientes – como se os réus fossem os donos da lei.

É… O Brasil anda de cabeça para baixo, o povo exaurido, a ponto de explodir – alguns ainda choram pelos que perderam o poder, mesmo diante do descalabro em que transformaram o país – e nos resta torcer para que a Justiça se reestabeleça, íntegra, sem tanta loquacidade no noticiário e absolutamente eficiente nos autos.

Em nome das crianças, dos doentes, dos idosos, de todos que sofrem devido à má administração deste vasto mundo, resta-nos aguardar e fazer nossa parte, até que o triste planeta que o homem vem destruindo com bombas e barbarismo mude, se ilumine e leve Justiça severa aos insanos seres que abraçaram Caim. De gestos solidários inundemos o mundo, e ele, sempre vasto, deixará de ser triste e envergonhado.

Um comentário

  1. Regina Caldas
    Regina Caldas 25 de dezembro de 2016 at 16:54 |

    Querida, leia o Salmo 82 ” Encrepadas a injustiça e parcialidade dos juizes”.
    A Humanidade não muda….lamentavelmente!
    Boas Festas, um ano de Luz e Paz para voce e seus familiares.

    Responda este comentário

Comente