Myriam Glatt: arquiteta, artista plástica e professora

Myriam Glatt é formada em Arquitetura pela Faculdade Santa Úrsula do Rio de Janeira, fez Pós-Graduação em Arte e Filosofia na PUC do Rio. Estudou Escultura no “San Francisco Art Institute” e no “Santa Barbara City College”, Califórnia, EUA. Trabalhou com arte aplicada e cenografia e lecionou escultura em “papier maché” na Universidade Estácio de Sá.

Myriam é uma artista contemporânea importante, e realizou várias Individuais participando sempre de Coletivas. A artista preocupa-se bastante com o meio ambiente e reutiliza materiais descartados.
Sua nova exposição “Tempo – da contenção à expansão” está acontecendo no Centro Cultural da Justiça Federal.

O que mais me fascina no trabalho de Myriam Glatt é a sua capacidade de utilizar o desenho, a pintura, a escultura, a colagem, construindo trabalhos híbridos de grande impacto. A artista trabalha com paixão.
. Fale um pouco das sementes que estão sempre presentes em seus trabalhos e se transformam em flores.

-Em 2012, insatisfeita com a pintura abstrata, pensei em pintar coisas do mundo, e meu corpo era a coisa do mundo mais próxima de mim. Fiz então uma série de autorretratos com papagaios da minha infância e, numa mesinha, pintei a comida deles, sementes de girassol. Interessei-me por elas porque eram gráficas e tinham referências da história da arte; Van Gogh e Ai Wei wei. Num outro momento deixei que elas se expandissem em repetição e numa outra série elas germinaram em flores.

. Como constrói seus relevos?

-Na série ‘flores’ tive vontade de experimentar outro suporte. Como falava de natureza, a reciclagem agregava. Cato nas ruas o papelão descartado, seleciono, desenho, corto, pinto e colo em várias composições.

.Você faz autorretratos. Quando pinta mulheres você se pinta?

-Nos meus autorretratos uso foto que tirei de mim mesma e colo na pintura. Um eu que representa todas as mulheres. Mulher que é terra, que é semente, que dá vida.

. Você faz parte do grupo “Soy mujer, soy latino americana”. Você se considera feminista?

-Não visto a camisa de feminista, mas batalho para que a mulher artista tenha maior visibilidade, pois ela foi quase esquecida ao longo da história da arte.

“TEMPO, da contenção à expansão”
Myriam Glatt
Centro Cultural Justiça Federal
Av. Rio Branco, 241 – Centro – Rio de Janeiro – (5521) 32612550
Metrô Cinelândia
06 set a 29 de out – Terça a domingo – das 12h às 19h

Comente