Tikun Rio de Janeiro

Herry Rosemberg, presidente da FIERJ e Tereza Bherg, secretária municipal na Campanha do Agasalho abraçada pela FIERJ

Foi um domingo de sol no Rio de Janeiro, iluminado pelo modo de agir judaicamente no mundo. E como descrever as nossas ações nesse dia?

Começo pelo conceito de “TIKUN OLAM”, que significa a nossa obrigação de aperfeiçoar o mundo, pouco a pouco, dia a dia, perseguindo a justiça e a paz, lutando contra a intolerância e a desigualdade. É um exercício constante na tentativa de melhorar as condições de vida de nossos semelhantes, independente de orientação sexual, idade, cor ou religião. Consta de nosso código de leis a condenação à humilhação ao outro, o disse me disse, o insulto, a calúnia.

O judaismo é, assim, orientado para a nossa vida e o nosso mundo, de uma forma muito concreta. O estudo da Torá é importante, mas a ação é essencial para a nossa existência.

Assim, mobilizadas pela Federação Israelita do Rio de Janeiro, apoiando uma iniciativa da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, centenas de judeus cariocas participaram da “Campanha do Agasalho”, tanto como doadoras, como organizadoras do evento. Todas as nossas instituições foram parceiras nessa bem sucedida arrecadação, que movimentou várias gerações de nossa comunidade.

Enquanto os caminhões com as caixas de agasalhos percorriam as ruas, numa sinagoga  em Ipanema debatia-se, com profundidade e conhecimento de causa, judaísmo e sionismo.  Era o XII CONFARAD (Conselho Sefaradi do Brasil), que teve como tema Judeus, o povo do livro.

Esse encontro da cultura Sefaradi, que engloba tanto textos, como músicas, já se constitui em um diferencial do exercício do judaísmo em nossa cidade.

Enquanto, de tarde, todos se concentravam na região sul da cidade, acontecia um encontro da Juventude Inter-religiosa do Rio de Janeiro, que discutiu o papel da mulher no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. A Federação Israelita do Rio de Janeiro se fez representar, por uma ativista do movimento feminino WIZO, que  falou sobre o ser mulher judia, desde os textos bíblicos até a atualidade.

Para finalizar, a semana, aqui no Rio, ainda nos reserva uma intensa emoção. Vai ser inaugurado, na sexta feira, no Pasmado, um Memorial às Vítimas do Holocausto. Torna-se, assim, realidade, o sonho do Deputado Gerson Bergher (Z’L), que muito lutou, muito tempo, por esse ideal.

A tenacidade de sua esposa -Tereza Bergher-, atual Secretária Municipal de nossa cidade, viabilizou a construção desse monumento importante para a história do povo judeu.

Holocausto nunca mais! Deve estar gritando o Dr Gerson, de onde estiver. Sempre com a sua paixão pelo modo judeu de ser.

Um comentário

  1. Suzana Grinspan
    Suzana Grinspan 12 de julho de 2017 at 5:48 |

    SARITA, SERA que a nossa comunidadenão enxerga que qqr problema expirra para nosso lado.
    onde estavam os presidentes declubes?e ,aqueles que tanto reclamam de tudo e,s novos SIONISTAS ??????VIVA NOSSOS JOVENS QUE TRABALHARAM MUITO MAS TRABALHARAM COM ALEGRIA (FOI A SENSAÇÃO DE DEVER CUMPRIDO)E UM VIVA ESPECIAL AS CHAVEROT DO DEPT DE EVENTOS DA WIZO RIO QUE TRANSFORMARAM A SALA DO LIESSIN NUMA LINDA E RICA :O SUXI WIZO RIO!!!!!!KOL A KAVOD À TODOS!!!!!!
    ANO QUE VEM TEM MAIS!!!!!!

    Responda este comentário

Comente