Trêfegos e barulhentos

O Brasil não está fácil de encarar. Quase 100 PMs mortos em seis meses, verdadeiros alvos fáceis de identificar para nossos hiper bem armados bandidos, não surpreende que haja baixa nos quadros policiais, tendo em vista a insegurança geral que assola o Rio de Janeiro e todo o país.

A responsabilidade maior recai sobre o ex-governador Sérgio Cabral, que estuprou os cofres públicos e cometeu verdadeiro latrocínio contra a população do Estado que dirigiu por oito anos. Onde está todo o dinheiro público que ele surrupiou? Quando virá para o lugar de onde nunca deveria ter saído, a não ser para pagar a quem de direito? Que adjetivo definirá essa criatura? Qualquer um, o mais baixo, mais agressivo, mais chulo, será incapaz de definir o que este ser fez ao Rio de Janeiro. Que pague e pague muito pelos erros e crimes, não sem antes devolver o dinheiro público! Um sociopata de tamanho porte não deve retornar ao convívio social. Nunca!

Sérgio Cabral fez campanha com barulho, governou com gestos trêfegos e acabou preso. Não basta; pois, mesmo preso obteve regalias. Esteve à vontade demais entre supostos iguais. Era pior do que todos ali, pois tinha a chave para fazer o bem geral. Ao contrário, matou muitos. De fome e doença. Não tem perdão!

Michel Temer é outro que não tem jeito. ‘Fez o diabo’, como dizia Dilma, para permanecer na cadeira dourada. Agora precisa pagar o prometido e acha que impor mais impostos ao povo será o jeito de levantar o dinheiro de seus cúmplices no Congresso. Mesmo a sua Marcela colocou as manguinhas de fora, oferecendo apartamentos funcionais para funcionárias suas. Que falta de noção! Quantas operações Lava-Jato são necessárias para ensinar ética, moral e cívica a nossos políticos insanos?

O povo anda tão desiludido, tão desgastado, tão exaurido com as falcatruas diárias que chegam ao seu conhecimento, que nem às ruas sai mais para protestar. Mas não se iludam, corruptos, que toda a indignação reprimida um dia explodirá e cairá sobre todos vocês, ó indignos brasileiros políticos e empresários. Nem brasileiros devem ser chamados, pois traidores da pátria.

O ministro do STF Gilmar Mendes, enfim, tomou a frente e deixou em segundo plano Lewandowski e Toffoli. Tem sido ele o barulhento e trêfego da vez, soltando adjetivos ao bel prazer, usando comparações absolutamente inadequadas para seu posto, mostrando-se contra a faxina judicial que a Lava-Jato vem fazendo há três anos num país ultrajado e vilipendiado, e ainda com tanto trabalho pela frente, graças, inclusive, a personagens barulhentos, impulsivos, falastrões, e sem a compostura que o elevado cargo impõe. Sua briga explicita e vaidosa com o Ministério Público Federal e com os juízes da maior operação de Justiça jamais vista no Brasil apenas enfatiza que algo deve ser feito e sem demora na escolha dos Ministros do STF – sobretudo no que se refere ao cargo ser vitalício e ao seu possível e rápido impeachment. Precisamos de um Judiciário low profile, que tenha noção de que o cargo exige discrição e moral impoluta. Embora, por ignorância do vocábulo, muitos confundam a ideia com algo de sentido oposto. Sobretudo os que recebem mais de R$100 mil ao mês.

Estão todos fartos, fartos de verdade, de ver um Legislativo legislando em causa própria, um Executivo que nada faz pelo país além de espoliá-lo, um Judiciário que faz barulho contra seus pares. Basta, políticos cegos pelo cinismo e pela soberba! Basta de jogar fora nossos trilhões pagos em impostos! Basta de erros e fraudes com dinheiro público! Basta de ironias diabólicas! Basta! Basta mesmo!

Que toda a lama de suas almas venha à tona! Que falem os safados ladrões da esperança brasileira! Que delatem seus comparsas e ponham para fora toda a trama urdida contra o país e o dinheiro suado do povo brasileiro. Que se mereçam e paguem juntos pelo crime!

Gleisi Hoffmann é a nova chefe do PT. E Lula, que sempre alega que não manda no Partido, disse à Gleisi que, embora a chamem de ‘poste’ dele, espera que ela não lhe dê tanto desgosto quanto o anterior. Sei não, mas acho difícil…. Tudo farinha do mesmo saco.

Palocci demorou mas soltou o verbo e contou que Lula recebia ‘mensalinho’ de duas empresas. Só isso? Novidade? Quem não sabia? Lula jamais trabalhou. Tentou colocar cabresto no povo brasileiro separando-o entre ‘nós’ e ‘eles’, usando o ‘Bolsa Família’ e o ‘Minha Casa, Minha Vida’, mas as casas se desmancham a olhos vistos, pois foram erguidas para durar o tempo de seu Poder. Suas promessas de ensinar o povo a pescar jamais passaram de folhas secas que o vento levou e seus seguidores, como os de Evita Peron, mesmo diante da fatalidade explícita se recusam a ver a face verdadeira daquele que se intitulou ‘salvador da pátria’. O dono do bordão ‘Nunca antes em toda a História’… De certa forma acertou. Nunca houve corrupção maior em toda a história do Brasil – e do mundo.

Mas, como mais ou menos dizia o bardo, “A vida é uma simples sombra que passa, uma história contada por idiotas barulhentos e trêfegos, cheios de ruído e de furor e que nada significam”. Bem, quem quiser que vista a carapuça.  Ou ame o Brasil e seu povo.

E por falar em amaor, o Now (canal 01 da Net) tem um filme chamado ‘O zoológico de Varsóvia’, que fala sobre os donos do zoológico da capital polonesa que esconderam judeus em sua propriedade, quando a alemanha invadiu a Polônia. Parece que em toda parte há barulhentos e trêfegos, mas felizmente existem os que são humanos e justos, e aí a humanidade se explica e faz sentido.

Um comentário

  1. rebeca burchtein
    rebeca burchtein 23 de agosto de 2017 at 8:19 |

    Mirianm, querida, nao ha possibilidade de se ensinar etica, moral, civismo, educacao, respeito, a esses politicos insanos, filhotes de jararaca com morcego. Guilhotina neles. Nao ha outra escolha.
    Como dizia uma amiga, sao como baratas, so matamos a chinelada.

    Responda este comentário

Comente